A voltas com a mudança

Estes días ando re-editando as entradas todas do blogue, no alojamento do word press. Aínda me falta muito: Escolher a cor da letra de cada entrada, engadir-lhe a categoria, que não se importou. Ainda me faltam 191 por revisar, mas fico iludida procurando desenhos, probando colores e tudo o demais.

Sabedes umha cousa?
desde que volvi a Vimianço, vou recuperando aquela luz interior da infáncia, com os recordos dos caminhos, das árvores, dos passaros, da chuva, da luz…Assim que ando enchendo o blogue de desenhinhos de crianças: cenas de contos, figuras que cintilam, corações, borboletas, gatinhos…Antes sentia reparo, porque pensava que não era próprio da minha idade, mas após dum ano de depressão acabei de aprender que o que pense o público, sempre que não se ofenda, é o de menos. O principal é fazer o que um gosta e sentir ilusão e felicidade.

Bom. Umha aperta a tud@s.

Umha que descobriu que nunca deixou de ser umha meninha.

Aí me tendes, rodeada polas pessoas maiores e sérias.

2108319115_ec3028a13a_d.jpg

Publicado en Sen categorizar

Ubicuidade

Não sei se vos passa a vós, mas a mim, que sou umha analfabeta informática, todas estas mudanças na Blogaliza, tem-me descontrolada.

Para evitar as incertezas, hesitações e contingências várias, fedelha que fedelha no ciber-espaço, dei cum lugar a onde levar todo oescunchador completo, com comentários e tudo o demais.

Agora só me resta adaptar as imagens e demais ao novo formato de apresentação, cousa que vou ir fazendo de vagarinho, sem présa.

As apresentações do Worpress não sou tantas nem tão lindas, mas tenho muita claridade, mália não saber inglês e, quando quero pôr algum acento assim ~ ou algumha letra assim ç não me saem pontos de interrogação ?.

O endereço é bem doado

http://oescunchador.wordpress.com .

Comtudo, vou seguir igualmente publicando neste endereço. Publicarei duplo, import-export. Mas, se não me aclaro, polo menos, tenho a onde ir.

Saudações para todo o mundo que passa por aquí.

Aperta.

Publicado en Sen categorizar

Vai a velha morrendo e vai aprendendo

Onte consegui fazer algo que nunca pensei conseguir: Subir um video ao youtube.

Esso sim, con fotos e umha música das que tem o youtube disposta, porque a minha, não ma aceitava.

Saiu-me o video algo mais longo do que a música e resulta um chisco trapalheiro, mas ficava tão cansa polo esforço, que decidi deixar assim. Hoje mudei a música. Agora é mais longa. imos adiantando. Hahahahaha!

[gv data=”tk4H7xSuuwA” width=”425″ height=”350″][/gv]

Podia repetir mais umha vez, mas prefiro deixar que a entropia se manifeste e se re-organice nas suas mentes para que gostem igualmente.

Para que ir na contra das leis que regem o universo?

Bom dia a tudos.

Umha Rifenha verdadeira

Ainda que eu me considere rifenha de coração, agora já não sou a Rifenha de Vimianço. Agora em Vimianço, há duas rifenhas verdadeiras, umha da tribo Bakoia por seu pai e Takrait por parte de mãe.

Assim que, já vedes. Pedigree rifenho polas quatro esquinas.

Bom, pois esta rifenhinha de primeiro da ESO, gosta muito de fedelhar na rede e é muito amiga, assim que, quando ela goste, pode escrever entradas no escunchador, para que saibades mais cousas da sua vida aquí, em Vimianço, e também do Rif .

Este é seu primeiro post, e eu deixo-a sozinha, para que ela escreba o que queira e como queira.

Al Hoseima

Al Hoseima (en árabe الحسيمة, ‘Al-Hoseima’ que significa ‘lavanda’ e en español Alhucemas) é unha cidade e provincia de Marrocos.

Está situada na costa marroquina mediterránea, na parte oriental da baía e xunto ao penedo de Alhucemas.

  • Historia

A actual A Hoseima tivo a súa orixe nun asentamento insignificante no século XVII, pero non é unha verdadeira cidade ata despois do desembarco de Al Hoseima levado a cabo polas tropas españolas durante a guerra do Rif (1926). Con todo, daquela chamóuselle Villa Sanjurjo, polo xeneral Sanjurjo, un dos protagonistas dese desembarco.

Durante a II República pasou a denominarse Villa Alhucemas, aínda que logo o réxime franquista restituíu novamente o nome de Villa Sanjurjo, que xa se mantivo durante o resto do protectorado español, ata o ano 1956 en que Marrocos accedeu á independencia. A partir desa data pasou a chamarse Al-Hoseima, en árabe, segundo a denominación marroquí.

Como legado da cultura española, quedan na vila numerosos edificios construídos durante a época do xeneral Sanjurjo. Así, atópase nesta cidade o Colexio Español Melchor de Jovellanos, dirixido polo Estado español. Este conta cunha arquitectura similar a edificios do sur de España e foi en orixe un cuartel militar.

Na actualidade é unha cidade de vacacións de verán, frecuentada polo turismo, na súa maioría do norte de Europa, debido ás súas fermosas praias, en especial Praia Quemado, e á beleza da súa contorna, entre a cordilleira do Rif e as augas do Mediterráneo. Conta con instalacións turísticas destacadas, como o Club Med, o complexo Chafarinas ou o hotel Mohamed V.

Con todo, a cidade atópase afastada do nivel de desenvolvemento do resto do Marrocos turístico, cunha importante falta de infraestruturas e de promoción. Á marxe das estradas que chegan á cidade, no verán establécese un servizo marítimo que comunica a cidade con Málaga, nun treito de aproximadamente unhas 11 horas.

Al Hoseima e os seus arredores sufriron un importante sismo de 6,5 graos na escala Ritcher o 24 de Febreiro de 2004, que causou graves danos materiais e provocou a morte de cando menos 560 persoas.

  • Poboación:

Malia que se estima en 60.000 habitantes a súa poboación, non se pode saber con exactitude, pois existe un alto índice de poboación que vive no campo. A división de poboación na rexión de Al Hoseima é a seguinte: Al Hoseima 55.216, Imzurem 9.642, Bni Buaiach 13.128, Targuist 9.593, mais unha poboación rural que debe roldar os 297.000 habitantes (2005).

Imagens do Rexoubeo do mes passado

Na Taberna O Petouco, de Vimianço:

Rexoubeo

Segundo a minha filha, esta montagem saiu-me algo punki, mas agora não a vou mudar.

Veredes. É que continuo sem sair da casa. Hoje volvi ao psiquiatra e disse que troque o Litio por outro medicamento, que seica o litio não me vem bem, por mor de que me faz eliminar muito potásio e não é bom. Mesmo explicou o meu anojo rebotado, ainda que não muito vissível, dos últimos tempos, pola falta de potásio que tem repercussões no hipotálamo.

Assim que, já sabedes. A música punki é por mor do Li que faz que tenha pouco K. com o conseguinte rebotamento.

Pero…Gosto de como queda esta música, que nem sequer conheço, com as imagens da gente do meu povo. Algo rebotado, últimamente polas subidas abusivas de impostos.

Força!!!!