Guns& Roses? Não. Nirvana


Vede até onde chega o meu desinterés pola música ruidosa e em inglês.

Ainda bem que tenho filhos que me ilustram.

Se, entre os leitores hà algum devoto de Nirvana e não porque seja budista, que disculpe minha ignorância.

Certamente, de Nirvana não merquei nem umha soa camisola.

Só fum um dia encargar umha para o Susinho com a cara de Jim Morrison estampada, porque o ídolo dele era esse.

E vi um filme no que umha serpe saía de embaixo das areias do deserto mentars soava “The End” polo menos vinte veces, que não é nada comparado com as veces que vim “O Muro” de Pink Floid, que deberom de ser umhas duascentas.

Ainda que, em honor à verdade The Doors e Pink Floyd são muito bons. E “O Muro”é umha obra de arte.
Sem desprezar a ninguém .

Por certo. Jim Morrison tinha umha inteligéncia singular e era um grande poeta.
O nome de The Doors, vem dumha frase de William Blake:

“Se as portas da percepção ficar abertas, tudo ia aparecer ante o homem tal qual é, infinito».

Por eso ele gostava de as abrir com LSD, cocaina e peiote.

Endejamais com heroina, porque lhe tinha fóbia as agulhas.

Mas não vou seguir por aí, que o meu não são as músicas anglófonas.

Hoje em Vimianço chove e venta de vendaval .

Boa tarde a todo o mundo.

De Calamaro A Kurt Cobain

Bom. Pois passado 8meses de clonazepam sem muito resultado, o meu psiquiatra decidiu que o melhor para mim é o litio, que seica estabiliça o ánimo e vai evitar que treme de pánico ante a mínima interferéncia do mundo exterior.

Assim que, do “Clonazepam y circo” do Andrés vou passar ao “Lithium” de Kurt.

Certamente nunca gostei muito de guns&roses.

Lembro dumha viagem a Altafulla para ver a umha amiga catalana, numha desas tendas de múltiples e variados artículos de souvenirs para guiris das vilas turísticas da costa catalana. Entrei para lhe mercar um agasalho aos meus filhos e saim cum barquinho de madeira pequerrechinho metido numha garrafa de cristal-para mim- e umha camisola de Guns&Roses para o meu Nés que me parecía horrível, mas que a ele, lhe encantou.

Certamente, nunca gostei de Guns&Roses, como de case nemhúm grupo anglo-sajão, agravado o seu caso polos decibélios que me transpassam os miolos coma se fossem balas das suas guns, mas o meu Nés adoitava gostar das cousas das que eu não gostava e quando queria ficar só e eu andava perto, punha a música de Sepultura ou Brujeria a toda voz para me espiantar. Umha vez fui para Vimianço e deixou posto o espertador do aparelho de música, e, quando às sete da manhã começou a soar aquelo, com o volume que tinha, eu, por um intre, acreditei ficar às portas do outro mundo, na escaleira que baixa.

Menos mal que o Suso fui apagar o trebelho, porque eu não era quem de me achegar.

Mais linda fui aquela tarde com Margarida em Altafulla. Vimos a lua de color de rosa, subindo por detrás do monte e logo, ía subindo e tornando da color da prata pulida, mentras nós bebíamos umha sangría de cava na terraça dum bar.

Tempos felices, os que vivim em Catalunya.

Alí nunca tivem crises, em três anos. Sentia-me nova, livre, coma se a vida volvesse a começar e a estiver estreando por segunda vez.

Vem-me a memória tantas cousas…

Outro dia, se tenho lazer, contarei algumhas.

Agora que o penso…O litio não é também o componhente das baterias que mais duram?

La lengua popular

Este é o título do novo trabalho de Calamaro.

Na linha dos melhores tempos de Los Rodríguez, um Calamaro re-nascido mas cumhas letras mais maduras, menos tristes, mais de homem maduro e feliz.

Escuitando o disco deduzo que atopou um amor que lhe faz ver o mundo doutra maneira: “ya no tengo espinas clavadas en el corazón” diz numha canção.

“Soy tuyo”, o título de outra.

“Muchos amigos se fueron antes que yo y me dejaron sólo”
“Una parte de mi no cambió , pero ya no soy el viejo Andrés que no dormia jamás . Encontré la mitad del amor”.

Um precioso e interesante trabalho. Música e letras.

Deixo aquí uns videos para que xulguedes por vós mesmos.

[gv data=”OVFGO8OT2P0″ width=”425″ height=”350″][/gv]

[gv data=”8_oAgoyxjok” width=”425″ height=”350″][/gv]

Nuite


É tarde jà, mas esta hora é mágica, para mim.

Todos dormem, mesmo Cuquinho e Bolinho nas suas caminhas, no quartinho debaixo das escaleiras.

Fóra, hà escuridade, porque a lua, que hoje tinha esse tono verdoso dos quadros venecianos, jà hà tempo que desapareceu tras do monte da Vela.

A nevoa sobe dos campos da beira do rio, fria e gris.
Quando hà tanto siléncio, este pode ser ouvido: è algo assim como umha vibração nos ouvidos, um ruido de fondo que nos envolve e que umhas veces semelha vir de fóra e outras de dentro de nós.

Fecham-se-me os olhos porque jà vai para umha hora que tomei o meu clonazepam e jà me vai vindo o Pedro Chosco das pílulas por detrás do monte. Justo por onde a lua marchou.

Será melhor que vaia durmir.

Amanhã serã outro dia.

Boa nuite a tod@s.

Manifesto

MANIFESTO DE SOLIDARIEDADE COA PLATAFORMA DE VECIÑOS DO CRUCEIRO DE MEÁ

rede_galega_de_bitacoras

Quen asinamos máis abaixo solidarizámonos coa Plataforma de Veciños do Cruceiro de Meá (Mugardos), pechados no Casa do Concello de Mugardos desde o mes de xullo, porque cremos que calquera veciño, calquera cidadán ou habitante, deste país ou de calquera outro, ten o dereito a que non lle estraguen a súa paisaxe e seu o contorno, e a non vivir a súa vida baixo a ameaza silenciosa dun perigo terríbel.

Quen asinamos este manifesto acreditamos que a xustiza e as leis que nos damos teñen que servir para defender os principios de igualdade e de liberdade, e non para protexer os intereses dos máis poderosos e xustificar as decisións que estes toman á marxe de toda legalidade e amparándose nos recantos máis escuros da sociedade e da humanidade.

Quen asinamos estas liñas acreditamos nun modelo de desenvolvemento sustentábel e autocentrado, que non repita os erros que se cometeron no pasado ao localizar empresas en sitios inaxeitados, e ao promover industrias de enclave que dun ou doutro xeito acaban por explotar e esgotar os recursos naturais que tamén son patrimonio de alguén, nosos ou doutros pobos.

Quen asinamos aquí sabemos que a existencia de REGANOSA en Punta Promontoiro trouxo tamén consigo a miseria e a baixeza morais de quen quixo ou precisou poñerse do lado dos poderosos, así como a tristura de ver enfrontados a veciños con veciños e a familias con familias, e que non hai forma máis implacábel de acabar cunha comunidade que destrozala dividíndoa desta maneira.

Quen asinamos temos a esperanza de que se traslade esta instalación fóra da Ría de Ferrol, na súa localización primixénea e ideal do Porto Exterior, e estamos convencidos de que aconteza o que aconteza coa nosa causa, moitas outras persoas están atendendo e entendendo, compartindo, ensinando e aprendendo desta loita que ante todo é xusta e fraternal.

Ria de Ferrol

Dixo Calidonia:

“Como xa anunciei na lista de Blogaliza e falando con algunha xente da internet galega, este sábado varios blogueir@s imos ir a Mugardos para visitar aos veciños de Meá pechados no Concello en protesta pola construción e posta en funcionamento claramente ilegais da planta regasificadora de REGANOSA. Trátase de facer unha visita aos veciños, que xa manifestaron o seu entusiasmo por este apoio, e aproveitar para botar un polBo solidario na mesma parroquia onde se ergue o enxendro.

A Plataforma de Veciños do Cruceiro de Meá ten un blogue e nel podedes comprobar que levan case dous meses pechados, recibindo visitas e mostras de solidariedade de cidadáns, intelectuais e artistas como: Mabel Rivera, Joao Afonso, Luís Pastor, Sala NASA, Xurxo Souto, Carlos Taibo, Lino Braxe, Xosé Manuel Beiras, Manuel Rivas, Pedro de Llano, Faltriqueira, Eva Veiga, Antón Reixa, Os Cempés… así como de diversas asociacións e colectivos de natureza diversa.

A idea é que estaría moi ben que a rede galega e a cidadanía activa non ficara á marxe deste movemento. Por iso propóñoche que mostres o teu apoio aos veciños, de varios xeitos:

Asinando un manifesto (co teu nome, co teu nick na rede, ou simplemente co nome da túa bitácora ou páxina web) de apoio e solidariedade que podes ler e firmar aquí mesmo deixando un simple comentario na anotación. Como verás, o manifesto acho que é propositivo, asisado e bastante razoábel.

Publicando esta convocatoria ou o texto do manifesto no teu blogue ou páxina web. Estou convencido de que o activismo na rede galega dista moito de estar durmido e que o compromiso de moit@s de vós coas causas que pagan a apena (esta e moitas outras) está fóra de toda dúbida. Podes aproveitar se queres este deseño feito por Artritris.

Xantando un polbo solidario na parroquia de Meá, confirmando a túa asistencia deixando un comentario nesta mesma anotación. Nos comentarios iremos informando do que se vaia pechando e concertando a respecto desta cita (detalles do xantar, desprazamentos compartidos e demais detalles). A reserva de prazas para o xantar hai que facela antes do venres 21 a mediodía (14h), un día antes do xantar. O único fixo no menú é o polbo, e imos tentar que o prezo sexa todo o proporcionado que poidamos e limitado ao que custe.

A cita é en Mugardos este sábado día 22 ás 13::00 h en frente da Casa do Concello. Este é o lugar onde combinarmos.

Segue lendo ‘Polbo solidario’

 

Tardes de Ramadam

Cada dia, as rifenhas vem consultar  a hora da pregária de Al Magrib, que é a pregária que marca o fim do jejum.

Cada dia a hora é diferente, e varia duns lugares a outros. Consultamos na página dos muçulmanos espanhois, Webislam, e cada dia varia um ou dous minutos, mais ou menos. O relógio da lua, que goberna a vida no islão, não é o mesmo que fabricam nas relojarias suiças. Tem outros ritmos que variam dia a dia, mes a mes, ano a ano.

Aí polas cinco da tarde, Hayat empeça jà com a “Harira”, a sopa que, junto com as chebbakiyas, serve para romper o jejum, alomenos no Rif, que em cada lugar o alimento primeiro pode ser outro.  Noutras partes de Marrocos, antes da harira comem dátiles e bebem leite batido, coma aquele que se fazia antiguamente nas casas de labradores da Galiza, batendo cum pau que levava numha ponta umha rodela de madeira, o leite que havia dentro dumha ola de barro.

Logo mantinha-se assim, fresquinho, para beber nas tardes de verão quando vinhamos cansos e acalorados de apanhar o trigo, ou as patacas.

Tudo esso, para nós, jà não existe. Agora mercamos na tenda o iogur e todas essas variantes que tem tantas cousas boas para a saúde ???, mas, em Marrocos, ainda se bebe, para dar as bemvindas a umha casa, ou para se refrescar no verão. Nas portas dos Mercados, hà sempre algumha mulher ou algúm homem vendendo cuncas de “leben”, qu é como lhe dim a esta bebida , que se consumem alí mesmo. Mesmo na porta das mesquitas e, desde logo, em todas as leiteriaso hà para beber ou para levar.
Bom, pois aquí não hà leben, mas a harira de Hayat, não falta cada tarde. Após de romper o jejum traz umha potinha para o Suso e para mim.

È umha sopa rica em ingredientes, e muito reconfortante:

Leva ólio,  carne, gravanços, ápio,tomate, salsa, cominhos, pementa preta, fideus finos, cebolas , e, a última hora, engadese-lhe um óvo e farinha previamente diluida em água. É dumha elaboração lenta e artesanal.

Tem um sabor muito especial e quenta bem o corpo.

Hoje , segundo o webislam, a hora de Al Magrib,  é às 8 e 20 da tarde , hora de Madrid.

Até essa hora, elas não comem nada , nem bebem nada. Pola nuite, depois da harira, comem várias veces tortilha, peixe, chà com pastelinhos, biscoito, e até de madrugada se levantam para tomar café com leite e bolachas, para poder resistir todo o dia.

Muita gente diz: Que parvada!

Mas eu penso que é bom manter as tradições, as crenzas, a memória, sempe que, como neste caso, seja por própria vontade . Umha ilha de Ramadam em Vimianço. Quem o ia dizer…?

Ramadam

Onte chegou Hayat do Rif. Ilusionada com a nova vida que vai começar aquí, entre nós, neste outro fim do mundo.

Veu cargada de chebakiyas, os dóces típicos do Ramadam .

Os muçulmanos, com jà disse outras vezes, contam os meses pola lua, Quando começa a se albiscar o quarto crecente, apenas umha raia curva de prata no céu, após a lua nova do noveno mes, então começa o mes do Ramadam. Começa também o jejum desde o amencer ao solpor.

Para os muçulmanos de Marrocos, começa hoje, para os espanhois, manhà, para os Palestina e Meio Oriente jà começou hà dous dias.

Hoje anda arranjando a sua casinha de aluguer, para ter todo preparado para se mudar esta nuite e começar o Ramadam na sua casa.

Para ela, e para todo muçulmano que aporte por aquí, que nunca se sabe, Ramadam Mubarak

Nossa Senhora dos frutos

Esta fim de semana fui a romaria da Virgem da Barca e as suas pedras mágicas:

“Nossa senhora da Barca,

tem a porta cara o mar.

Um pouquinho mais abaixo,

tá a pedra de abalar “

Também a Guadalupe, em Rianjo, que, ademais é negra, como as antigas deusas da terra e da fertilidade, talhadas em obsidiana negra. Símbolo da terra, escuridade onde tem de durmir a semente para germolar.

A Virgem de Guadalupe

quando vai pola ribeira.

Descalzinha pola areia,

parez umha rianjeira”.

Na beiramar e no interior.

Setembro é o que tem. È tempo de frutos maduros, cereais nas tulhas – o milho é moderno, veu das américas- e vendimas de ácios e de maçães.

A iconografia das virgens de setembro, quase sempre as apresenta coroadas de estrelas e com a lua aos seus pés.

Estrelas-constelações- e lua que marcam o tempo da agricultura e também da pesca:

Sementeiras, colheitas, tempo de sardinha, de ameixas e berberechos, de luras…

Estas romarias são, ao meu ver, preciosas.

Verdadeiras festas de catarse coleitiva nas que, mentras dura a noite, a gente entrega-se á orgia da desinhibição total e, logo, ao abrir o dia, vai subindo cara as pedras que arrodeiam o santuário, para receber o sol purificador.

Com o cansaço da nuite reflectido na cara.

Hà quem se identifica para os da sua tribo, com sombreiros de charro, de cow-boy ou com panos de pirata.

A lus do dia é terreio da festa mais organiçada: A misa, os exvotos de cera, as ofreças, as estampas do icono simbólico da virgem, a processão , a traca que ameaça com estoupar a vila enteira, as merendas, e, o menos divertido: O negócio do crego, que enche sacas de dinheiro negro.

Mas suposso que nos ritos de colheitas antigos, passaria o mesmo. Porque os humanos somos assim desde sempre, e sempre hà aproveitados e cobiçosos que se aproveitam da boa fé dos demais.

Mas essas são as contradicções da vida. E mesmo do mundo e, e se me apuram, do cosmos:

“O que quer lamber o mel tem de se picar com os agulhões”

Assim dizia minha avoa.

Mália tudo, a festa da Nossa Senhora das Colheitas, segue viva, e esso indica que ainda não nos desvinculamos totalmente da terra que nos alimenta. Coma umha mãe nutrícia. Os seus icones seguem vivos ainda por toda a geografia da nossa feminina e maternal terra.

“Una gran señal apareció en el cielo: una Mujer, vestida del sol, con la luna bajo sus pies, y una corona de doce estrellas sobre su cabeza; está encinta, y grita con dolores del parto y con el tormento de dar a luz…”

(Apocalipsis 12:1-2, Biblia de Jerusalén)

Doce estrelas. Doce meses do ano. O sol, a lua, o parto. Faz falta algo mais para saber ?

As pequenas cousas

Dentro de quatro paredes , também se podem ter momentos de intensa felicidade. A felicidade, ao fim, são esso: Intres, momentos, instantes que brilham com intensa lus dentro de nós, coma faiscas que leva o vento; como chuva de estrelas que passam, fugidias, polo céu do nosso interior.

Hoje, espertei cedo, e com a cabeça algo pessada.

Vou-vos deixar aquí as primeiras olhadas do dia. Felicidade comtemplativa.

Dentro da casa,-por certo, a casa, na linguajem analógica dos sonhos simboliça o próprio mundo interior, o momento da vida que estamos a viver- vejo as flores que o Suso traz cada quinta , quando vai à feira de Vimianço, para mim. As desta semana, ainda ficam frescas, porque são de onte. Ainda tem de ir abrindo segundo vaiam passando os dias:

Logo olhei pola janela:
O sol empezava a iluminar os cumes do monte que me arrodeia, logo ia chegando às milheiras, à cinta de abeneiros da beira do rio…

Cuquinho saiu para ver se andava por aí o gato gris, que lhe anda a remexer nos óssos que ele guarda polo erval. Cada vez que o cheira, ladra coma se estiver tolo, ou possuido pola furia lobuna dos seus antepassados. Mas é ainda um cachorro e o gato, jà velho, nem para ele mira.
Senta, tranquilo, e, quando se cansa dos ouveios, marcha paseninho, com elegáncia displicente cara a beira do rio…

 Vendo estas imagens, não posso menos que lembrar a Vicente Risco, em Léria:” Não é que o teu mundo seja pequeno. És ti, que nunca has poder concebir nada grande.”